Como Separar Finanças Pessoais da Empresa: Veja Dicas!

Como Separar Finanças Pessoais da Empresa: Veja Dicas!

como separar finanças pessoais da empresa

Anúncios

A princípio, entender como separar finanças pessoais da empresa é algo não muito fácil para alguns administradores de negócios novos que não sabem muito bem como resolver isso.

Isso porque, o processo de como separar finanças pessoais da empresa não é uma tarefa muito fácil para os novatos, e com isso, as chances de prejudicar alguma dessas áreas é real.

Anúncios

Então, uma maneira de resolver isso é sabendo como separar finanças pessoais da empresa de verdade para que não tenha maiores problemas no futuro e consiga alavancar sua empresa da melhor maneira possível. Aproveite as informações e boa leitura!

Indicações de como separar finanças pessoais da empresa

Afinal de contas, você tem ideia de como separar finanças pessoais da empresa e quais as maneiras de fazer isso que não prejudique nenhuma das áreas mencionadas? Se esse é um objetivo, saiba que esse artigo é especial para você.

Anúncios

É muito importante que exista um bom planejamento financeiro pessoal e empresarial para que resolva essas questões, e pensando nisso, trouxemos algumas dicas para te ajudar nisso, como por exemplo:

1. Deixe suas contas bancárias separadas

Em primeiro lugar, a orientação fundamental para desvincular completamente as finanças pessoais das finanças empresariais é estabelecer contas individuais para cada caso.

Mesmo que o empreendedor seja altamente organizado, as probabilidades de misturar despesas pessoais com os gastos da empresa são significativas quando a gestão financeira é conduzida através de uma única conta.

Muitos empresários cometem o erro de utilizar o cartão da empresa ou cheques para pagar despesas pessoais, e, de maneira geral, devido à falta de um controle financeiro eficiente, acabam desconhecendo a verdadeira lucratividade do negócio.

A sugestão inicial é manter contas separadas. Isso proporciona ao empresário uma visão clara do montante de dinheiro disponível, a quantia que pode ser retirada sem prejudicar a saúde da empresa, e o valor que pode ser investido no próprio empreendimento.

Além disso, a separação de contas facilita aspectos fiscais, sendo útil na hora de documentar o faturamento e elaborar a declaração do Imposto de Renda.

2. Não leve suas contas de casa para o negócio – Como separar finanças pessoais da empresa

Para diversos empreendedores, a separação entre as despesas domésticas e as finanças empresariais pode se revelar uma tarefa mais desafiadora do que aparenta. No cotidiano agitado e, frequentemente, na ausência de uma organização adequada, gestores podem inadvertidamente misturar pagamentos a fornecedores.

Como também controle de estoque e até mesmo salários de funcionários com despesas relacionadas à escola dos filhos ou compras no supermercado.

É crucial ter uma compreensão clara de que “conta pessoal é conta pessoal e conta da empresa é conta da empresa” e que essas esferas nunca devem se entrelaçar.

Por conseguinte, é fundamental manter um registro preciso do que constitui as despesas da empresa e o que é destinado aos gastos pessoais. É necessário especificar claramente quais despesas contribuem para as atividades da organização e quais devem ser deduzidas do pró-labore, que corresponde ao “salário do proprietário”, por exemplo.

3. Acompanhe com atenção o fluxo de caixa da empresa

Você possui informações acerca do valor disponível em caixa? Qual é o total das obrigações com fornecedores? Quanto está pendente a receber dos clientes? É essencial acompanhar minuciosamente toda a movimentação financeira da empresa.

Registrando de forma detalhada todas as entradas e saídas de caixa, com o intuito de avaliar se os custos estão elevados e quais medidas podem ser adotadas.

Monitorar os lançamentos e extratos de caixa, sejam eles oriundos de transações bancárias, cheques compensados, planilhas, entre outros, é fundamental para compreender a evolução das finanças e, sempre que viável, considerar o aumento nos valores de pró-labore.

Além disso, ao manter uma atenção constante aos registros no fluxo de caixa, o empreendedor desenvolve a habilidade de reconhecer o momento exato para resistir à tentação de usar o saldo positivo de uma conta para quitar o saldo negativo de outra.

4. Determine valores para retirada – Como separar finanças pessoais da empresa

O pró-labore representa o “salário do proprietário” e é crucial que o empreendedor estabeleça uma quantia fixa para retirar mensalmente, independentemente de a empresa apresentar excedente ou falta de recursos no caixa.

O valor determinado como “salário do proprietário” requer um cuidadoso planejamento, garantindo que não ultrapasse a capacidade financeira da empresa, o que poderia ser prejudicial para suas finanças e saúde econômica.

A definição do pró-labore deve estar alinhada com a função desempenhada pelo proprietário, não sendo baseada nas necessidades pessoais. Portanto, é recomendável que o empreendedor considere o quanto pagaria a alguém desempenhando a mesma função.

Um equívoco comum entre os empresários é incorporar valores extras às retiradas ao perceberem que a empresa está lucrando. No entanto, essa prática é um erro significativo.

O lucro da empresa deve ser direcionado para o crescimento do negócio, como investimentos, reserva de capital de giro, pagamento dos funcionários e até mesmo o pró-labore.

É crucial realizar todas as ações de forma planejada para não comprometer as demais obrigações financeiras da empresa.

5. Tenha uma reserva pessoal e para a empresa

Seja uma pessoa física ou uma pessoa jurídica, em ambas as situações, existe a possibilidade de enfrentar momentos desafiadores, levando muitos empreendedores a recorrer ao caixa da empresa para equilibrar as finanças pessoais, ou vice-versa.

Para contornar essas situações de instabilidade, é crucial separar uma quantia específica e criar uma reserva financeira. Em outras palavras, é fundamental ter em mente que a cada retirada ou pró-labore, deve-se reservar uma porcentagem para cobrir eventuais necessidades imprevistas.

Da mesma forma, com os excedentes financeiros da empresa, é aconselhável destinar uma parte a um fundo de investimento ou a outra forma de rendimento, contribuindo para superar dificuldades e proporcionando uma maior segurança financeira para enfrentá-las.

6. Use um software de gestão – Como separar finanças pessoais da empresa

Com frequência, as finanças da empresa se confundem devido ao simples fato de o empreendedor não manter um controle eficaz de todas as transações que entram e saem do caixa. Seja por falta de tempo, conhecimento ou por considerar desnecessário.

A melhor abordagem para manter as informações financeiras da empresa organizadas é aprimorar o controle financeiro por meio do uso de softwares de gestão.

Esses sistemas não apenas mantêm as informações atualizadas e bem organizadas, mas também possibilitam a integração com outros setores da organização.

Isso facilita o recolhimento de tributos, o processamento da folha de pagamento, a geração de relatórios contábeis. E, além disso, permite monitorar o caixa e manter as contas da empresa devidamente separadas das contas pessoais.

7. Busque ajuda focada no assunto

Por outro lado, dividir as despesas pessoais das contas empresariais é uma tarefa desafiadora que não se deve enfrentar isoladamente. Embora as sugestões apresentadas aqui possam ser valiosas nessa empreitada complicada, certas nuances demandam a busca por um contador competente.

O contador é o profissional ideal para fornecer apoio na gestão das obrigações tributárias e compromissos fiscais. Além dele, contar com o respaldo da tecnologia e de parceiros colaborativos também pode ser extremamente benéfico.

Separar Finanças Pessoais da Empresa
Separar Finanças Pessoais da Empresa (Foto: Reprodução)

O que significam as finanças pessoais?

Antes de compreender a importância de separar as finanças pessoais das empresariais, é essencial esclarecer alguns conceitos. No âmbito das finanças pessoais, o termo engloba todas as atividades associadas ao dinheiro e às decisões financeiras de um indivíduo ou família.

Dessa forma, o conceito está relacionado ao orçamento doméstico, investimentos, planejamento de gastos, utilização de crédito, organização para aposentadoria, entre outras questões.

Outros elementos que integram essa definição incluem o planejamento tributário pessoal, a educação financeira e o relacionamento com instituições financeiras. Assim, as finanças pessoais desempenham um papel crucial ao facilitar uma gestão mais eficiente dos recursos e a consecução dos objetivos financeiros estabelecidos.

Significado das finanças empresariais

No entanto, no que diz respeito às finanças empresariais, elas englobam todos os processos que direcionam a alocação de recursos financeiros da empresa. Ao abordar esse conceito, é imperativo que o empreendedor busque otimizar seus investimentos, visando aumentar a rentabilidade do negócio.

Na prática, é necessário realizar uma análise do orçamento para determinar como o capital deve ser distribuído dentro da organização, com o objetivo de garantir seu funcionamento contínuo. Por exemplo, é crucial identificar quais despesas podem ser reduzidas para incrementar o lucro.

Outro fator considerado diz respeito à obtenção de capital, que pode ocorrer por meio da prestação de serviços, empréstimos bancários, entre outras formas. As finanças empresariais também abrangem a definição do destino dos lucros, com a finalidade de ampliar o patrimônio da empresa.

Dessa forma, quando o gestor dedica atenção às finanças da empresa e planeja a alocação dos recursos financeiros, o empreendimento pode trilhar o caminho para obter maior destaque no mercado.

Motivos para separar despesas pessoais da conta da empresa

É essencial que os empreendedores compreendam a importância de separar as despesas pessoais das contas da empresa para preservar a saúde financeira do negócio.

A fusão das finanças pode resultar em diversos problemas, tais como a dificuldade em monitorar os gastos, atrasos no pagamento de impostos e, em última instância, na descapitalização da empresa.

Alguns dos motivos fundamentais que explicam a relevância de manter distintas as despesas pessoais e empresariais incluem:

1 – Deixe mais simples o controle financeiro – Como separar finanças pessoais da empresa

Quando as despesas pessoais e empresariais estão mescladas, torna-se mais desafiador determinar com precisão o montante de recursos disponíveis para investimentos ou pagamentos de contas por parte da empresa.

A separação das despesas pessoais das empresariais contribui para um controle financeiro mais preciso, prevenindo surpresas desagradáveis.

2 – Evite a mistura de patrimônio – Como separar finanças pessoais da empresa

Combinar os ativos pessoais com os da empresa não apenas apresenta possíveis riscos jurídicos, contábeis e financeiros, mas também pode causar danos significativos à reputação do empreendimento.

Essa prática comprometedora pode acarretar implicações legais, desafios contábeis complexos e impactos adversos nas finanças. Destacando a importância crucial de manter uma separação clara entre o patrimônio pessoal e o empresarial.

3 – Defina a situação das finanças da empresa

A distinção entre as contas propicia uma análise mais aprofundada da condição financeira da empresa, o que, por sua vez, viabiliza uma tomada de decisões mais informada e eficiente. Ao manter as contas separadas, torna-se possível uma avaliação mais precisa dos recursos disponíveis, das obrigações financeiras e das oportunidades de investimento.

Proporcionando um embasamento mais sólido para estratégias e escolhas que visem o crescimento e a estabilidade do negócio.

4 – Permissão para gestão tributária melhor – Como separar finanças pessoais da empresa

A integração das contas empresariais com as pessoais pode resultar em equívocos na declaração de impostos e tributos. Então, acarretando penalidades sob a forma de multas e juros.

Ao adotar a prática de separar as despesas pessoais das empresariais, torna-se possível prevenir tais equívocos, garantindo uma gestão tributária mais eficaz e em conformidade com as normativas fiscais.

5 – Facilita a conquista de empréstimos e financiamentos

Em geral, instituições financeiras e bancos requerem comprovação de renda e análise financeira ao considerar a concessão de empréstimos e financiamentos. Manter a separação entre as contas pessoais e empresariais proporciona uma simplificação notável e maior transparência a esse processo.

Essa prática não apenas facilita a apresentação de documentação e informações necessárias, mas também reforça a credibilidade financeira da empresa diante dessas entidades. Assim, favorecendo a obtenção de recursos de forma mais eficiente e favorável.

Exemplos de bancos que oferecem esse tipo de empréstimo para MEI é o Itaú com acesso online pelo site oficial (https://www.itau.com.br/emprestimos-financiamentos/microcredito) cheio de oportunidades para você e sua empresa!

6 – Ofertas para melhorar a transparência da empresa para terceiros

A segregação das contas pessoais das contas empresariais desempenha um papel crucial na asseguração da transparência e credibilidade da empresa perante uma variedade de partes interessadas. Por exemplo, fornecedores, clientes e investidores.

Essa prática não apenas contribui para a integridade financeira da organização, mas também fortalece a confiança e a confiabilidade nos relacionamentos comerciais.

Ao manter uma separação clara entre as finanças pessoais e empresariais, a empresa estabelece um padrão elevado de governança financeira, fomentando uma reputação sólida e positiva no mercado.

Isso, por sua vez, pode influenciar positivamente a tomada de decisões, parcerias estratégicas e a percepção geral da empresa no cenário empresarial.

Como separar finanças pessoais da empresa: Quais são os riscos de não dividi-las?

Após compreender a relevância de separar as finanças pessoais das empresariais, é imperativo explorar os riscos decorrentes da negligência dessa prática essencial. Em primeiro lugar, é crucial ressaltar que a empresa não deve ser encarada como uma fonte direta de renda pessoal.

A utilização de parte dos ganhos do negócio para quitar despesas pessoais pode acarretar prejuízos nos compromissos fundamentais, como o pagamento de salários a fornecedores e colaboradores.

Essa prática também pode resultar na necessidade de recorrer a empréstimos bancários com taxas de juros elevadas, levando a um endividamento significativo.

Outra possível ramificação da falta de controle financeiro reside nos problemas jurídicos. Isso ocorre porque essa prática pode configurar descontrole patrimonial, suscitando a desconsideração da personalidade jurídica do negócio.

Em situações dessa natureza, diante de processos judiciais, existe o risco de que o empreendedor seja compelido a saldar as dívidas da empresa com seus próprios recursos pessoais.

A negligência nesse aspecto pode resultar em consequências legais graves, afetando não apenas a saúde financeira do negócio, mas também o patrimônio pessoal do empreendedor.

Conclusão

Enfim, saber como separar finanças pessoais da empresa é de suma importância por vários motivos. Sendo essenciais para a saúde financeira e o bom funcionamento do negócio. A seguir, destacam-se alguns pontos cruciais que ressaltam a relevância dessa prática:

  • Transparência e Prestação de Contas;
  • Precisão no Controle Financeiro;
  • Facilidade na Tomada de Decisões;
  • Evita Comprometimento da Saúde Financeira da Empresa;
  • Facilita Processos Legais e Tributários;
  • Proteção Jurídica e da Personalidade Empresarial;
  • Facilita a Análise de Desempenho Financeiro.

Sendo assim, a separação das finanças pessoais das empresariais não apenas promove a ordem e a responsabilidade financeira, mas também é vital para garantir a sustentabilidade e o crescimento saudável da empresa a longo prazo.

Portanto, essa prática é uma medida estratégica que contribui significativamente para a gestão eficaz dos recursos e para a construção de uma base financeira sólida.

Rolar para cima

Ao continuar navegando, você concorda com nossos Termos de Uso e Polí­tica de Privacidade.